Divendres, Novembre 10, 2006

L'Entesa Nacional pel Progrès, en alguns mitjans internacionals (2ona part)

10 Nov 2006

Bé, continuo recollint articles que s'han publicat en les planes web de diversos mitjans de comunicació internacionas sobre el resultat de les eleccions al Parlament de Catalunya celebrades el passat 1 de novembre del 2006, així com de les negociacions sobre la formació de govern posteriors.

He trobat articles de les webs de les ràdios i televisions públiques de Portugal, Bòsnia i Hercegovina, i Croàcia.

Aquests articles els trobareu en l'ampliació del present article, i al llarg dels propers dies intentarè fer-ne la traducció dels que cregui més interessants (suposo que a la majoria de nosaltres llegir i comprendre textos en eslovè, bosni o altres idiomes similars pot ser un exercici gairebè impossible, si ja ho és per mi, que en tinc algun coneixement sobre aquests idiomes, encara que estic molt lluny de poder-los emprar en el dia a dia!). Suposo que no cal que tradueixi els articles en portuguès.

Suposo que veure l'interès que desperten les eleccions al Parlament de Catalunya a nivell internacional és un bon indicador de que des d'arreu del món no es veu a Catalunya com una simple comunitat autònoma més de l'Estat Espanyol, i soposo que ès quelcom d'important a tenir en compte sobre quin és el futur del nostre país.

RTP (Ràdio i Televisió Pública Portuguesa)

Sedes de partidos em Tarragona vandalizadas
As sedes do Partido Popular (PPC) e do Partido Socialista (PSC) em Tarragona, Catalunha (Espanha), foram hoje alvo de actos de vandalismo, com mensagens pintadas nas paredes dos edifícios.


No edifício do PPC as mensagens incluem ameaças ao candidato local do partido, Rafael Luna e ao candidato autonómico do partido, Josep Piqué, sendo igu almente visíveis bandeiras independentistas da Catalunha.

Piqué, que votou hoje em Barcelona, condenou já o acto de vandalismo, q ue considerou "profundamente anti-democrático" por tentar "cortar a liberdade de expressão de uma opção política democrática".

Também a sede do PSC nesta localidade catalã apareceu hoje com mensagen s críticas e insultuosas, marcadas por bandeiras independentistas, levando Joan Sanahujes, primeiro-secretário do partido em Tarragona, a condenar o acto.

"É uma lástima que haja cidadãos que, com as suas atitudes, vulnerem a liberdade de expressão e de opinião de outros", disse ao canal CNN Plus.

As urnas para as eleições autonómicas da Catalunha abriram hoje às 09:0 0 locais, menos uma hora em Lisboa, registando baixa afluência nas primeiras hor as.

Líderes políticos que já exerceram o direito de voto repetiram apelos à participação eleitoral, com as sondagens a anteciparem uma elevada taxa de abst enção.

Agência LUSA
2006-11-01 13:20:18

Eleições regionais da Catalunha

Os mais de 5,3 milhões de eleitores da Catalunha (Espanha) escolhem hoje os 135 deputados do Parlamento regional, com as sondagens a apontarem para que nenhuma força política consiga maioria para governar.

As 8.315 mesas de voto das quatro províncias da Catalunha abrem às 08:0 0 locais, menos uma hora em Lisboa, encerrando 12 horas depois, com as autoridades a estimarem que os primeiros escrutínios sejam conhecidos cerca das 22:00 locais.

Com as sondagens a apontarem para que nenhum partido consiga governar sozinho, fontes do governo catalão admitem que poderá haver uma reedição do tripartido, - formado pelo Partido Socialista Catalunha (PSC), Esquerda Republicana da Catalunha (ERC) e Iniciativa pela Catalunha (ICV) depois das eleições de 2003.

Ainda assim as sondagens consideram que a Convergência e União (CiU), de Artur Mas, de centro-direita, deverá ser o partido mais votado.

A RTVE será a única cadeia de televisão espanhola a apresentar projecções, logo às 20:00, quando fecham as urnas, tendo, pela primeira vez, as autoridades eleitorais permitido cobertura noticiosa sobre os últimos comícios na terça- feira, dia de reflexão.

Vistas como primeiro teste ao governo espanhol de José Luís Rodríguez Zapatero as eleições surgem depois da dissolução do governo tripartido na sequência da polémica em torno do Estatuto de Autonomia da Catalunha.

O texto marcou aliás as duas semanas de campanha e os meses de pré-campanha, dominados pelas propostas da Convergência e União (CiU), de Artur Mas.

Cerca de 6.500 agentes policiais e mais de 82 mil pessoas serão mobilizadas para as eleições, as primeiras do novo ciclo eleitoral espanhol, a que se seguirão as municipais e regionais em 2007 e as gerais em 2008.

Mais de oito mil representantes da administração catalã estarão envolvidos na operação que conta 8.315 mesas e 2.689 colégios eleitorais, espalhados por toda a comunidade autónoma.

Os mais de 2.400 candidatos nas quatro províncias da região, representam um aumento face às eleições de 2003.

Será a primeira vez que os eleitores catalães são chamados às urnas a meio da semana, com as autoridades a aproveitarem o feriado do Dia de Todos os Santos, o que pode acabar por se fazer sentir na taxa de abstenção, que todos esperam seja elevada.

Quer, o primeiro-ministro, José Luís Rodríguez Zapatero quer Mariano Rajoy, o líder da maior força da oposição, o Partido Popular (PP), tiveram um papel activo na campanha, deslocando-se quatro vezes à região para acções eleitorais .

As últimas sondagens referem que a Convergência e União (CiU), de centro-direita, é o partido mais apoiado pelo eleitorado da Catalunha (Espanha), com uma vantagem de entre 2,3 e 6,5 pontos sobre o Partido Socialista da Catalunha (PSC).

As sondagens antecipam que a taxa de participação ronde os 57 ou 58 por cento, abaixo dos 62,5 por cento de eleitores que votaram em 2003.

As eleições de 01 de Novembro foram convocadas, antecipadamente, depois da convulsão política criada em torno do polémico novo Estatuto de Autonomia, aprovado em referendo pelos catalães.

O documento dividiu a coligação de três partidos que governava a Catalunha - PSC-CPC (Partido Socialista da Catalunha - Cidadãos Pela Catalunha), ERC (Esquerda Republicana da Catalunha) e ICV-EA (Iniciativa pela Catalunha Verdes - Esquerda Alternativa).

A ERC acabou por ser expulso da coligação obrigando à convocação de eleições antecipadas.

A Catalunha foi, desde os anos 80 e até ao voto de 2003, governada pela Convergência e União (CiU), de centro-direita, o segundo partido mais votado nas últimas eleições (30,8 por cento), mas o primeiro em número de deputados (46 dos 135), mercê do sistema eleitoral catalão.

Agência LUSA
2006-11-01 08:23:54

Arrancam negociações para formação do governo na Catalunha Os líderes dos dois partidos mais votados nas eleições de quarta-feira na Catalunha, CiU e PSC, iniciam hoje as rondas de contactos com as restantes forças políticas para formação do governo.

Tanto Artur Mas, líder da Convergência e União (CiU), que conquistou 48 dos 135 mandatos, como José Montilla, líder do PSC que conseguiu 37 mandatos, já afirmaram que vão tentar formar um governo sólido que consiga aplicar o novo Estatuto de Autonomia.

Crucial na opção final será a opção da Esquerda Republica da Catalunha (ERC), a terceira força política cujo líder Josep Lluís Carod-Rovira manifestou abertura para falar sobre a união dos seus 21 deputados a qualquer dos dois maiores partidos.

A unir-se ao futuro governo poderá estar ainda a Iniciativa pela Catalunha (ICV) de Joan Saura, que poderia associar-se a uma coligação a três na esquerda, com o PSC e a ERC.

Todos os cenários serão possíveis, incluindo as opções da CiU governar sozinha, de se associar à ERC ou de uma nova união entre as três forças de esquerda - PSC, ERC e Iniciativa pela Catalunha (ICV).

Recorde-se que a ERC foi expulsa da coligação, o que forçou as eleições antecipadas de quarta-feira, ainda que nem o partido nem os seus antigos parceiros de governo tenham descartado a reedição de um governo tripartido.

A decisão da ERC poderá depender do facto de o PSC e da ICV - no governo - terem conseguido mais mandatos juntos (49) do que a CiU (48), o que, para fontes do executivo, representa uma vitória sobre a posição da CiU.

A legitimidade de um governo tripartido sai ainda reforçada pelo facto de os independentistas da Iniciativa pela Catalunha (ICV) - a única das três forças de esquerda a promover esta ideia durante a campanha -, ter aumentado a sua força no Parlamento, conseguindo 9,74 por cento dos votos e 12 mandatos, mais três do que em 2003.

Por outro lado, e a afectar os intensos debates que agora se iniciam em Barcelona, está o facto de os socialistas, a nível nacional, precisarem do apoio da CiU nos votos no Parlamento em Madrid onde não detém maioria absoluta.

Com uma diferença tão ampla entre a CiU e o PSC, algumas fontes no executivo admitem que o chefe do governo espanhol, José Luis Rodríguez Zapatero, poderá pressionar a sua frente catalã para "deixar" a centro-direita governar.

A direcção executiva do PSC determinou já dar prioridade ao reatamento do pacto a três, procurando um governo "catalanista e progressista", enquanto a CiU insiste num governo "nacionalista" com a ERC.

Ambos os partidos querem que as negociações decorram com rapidez e em discrição, já que a lei prevê que o novo governo tenha que ser formado até 21 dias depois da votação.

Agência LUSA
2006-11-03 12:35:43

PBS BiH (Ràdio i Televisió Pública de Bòsnia i Hercegovina)

UMJERENA NACIONALISTIČKA PARTIJA POBIJEDILA NA IZBORIMA U KATALONIJI

Madrid, 02.11.2006. - Umjerena nacionalistička partija pobijedila je na izborima u španskom regionu Kataloniji, ali nije osvojila dovoljno mjesta da bi vladala bez koalicije. Partija Converhensija i Unio osvojila je između 45 i 48 mjesta u Parlamentu koji ima 135 članova, a na drugom mjestu je vladajuća Socijalistička partija Španije sa 37 do 40 mjesta. Koalicija ove dvije stranke mogla bi pomoći i premijeru Jose Luisu Rodriguezu Zapateru u Madridu, gdje mu je potrebna podrška regionalnih partija da bi osvojio većinu. Ova koalicija bi bila prihvatljiva i za većinu Španaca koji su kritični prema katalonskom nacionalizmu.

HRT (Ràdio i Televisió Pública de Croàcia)

Parlamentarni izbori u Kataloniji

1. studenoga - Umjerena katalonska nacionalistička stranka Convergencia i Unio (CiU) pobjedila je dosad vladajuće socijaliste na prijevremenim regionalnim parlamentarnim izborima u Kataloniji, objavilo je izborno povjerenstvo nakon 99 posto prebrojanih glasova.

CiU je osvojio 31.50 posto glasova odnosno 48 od 135 mjesta u katalonskom autonomnom parlamentu. Socijalisti (PSC) su osvojili 26.85 posto glasova ili 37 zastupničkih mjesta. Kako niti jedna vodećih stranka nije osvojila apsolutnu većinu očekuje se da će nakon izbora uslijediti mukotrpno pregovaranje o mogućim koalicijama.

CiU je vladala Katalonijom 23 godine bez prestanka do 2003. godine, a od tada je na vlasti tročlana koalicija predvođena socijalistima. Nova će vlada provesti reformu, s odobrenjem i potporom središnje vlasti u Madridu, kojom će se proširiti već znatna katalonska samouprava davanjem sveobuhvatnih ovlasti u području financija i pravosuđa.


 

Afegeix un comentari
















Capital d'Espanya: